UNIDADES DE CONSERVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE: Plano de manejo e aplicação da capacidade de carga no Parque Nacional da Lagoa do Peixe (RS)

Rodrigo Hakira Minohara, Rudinei Scaranto Dazzi, Alessandra Santos dos Santos

Resumo


É crescente a busca do homem pelo contato com o meio ambiente, sobre tudo por meio do turismo. Na década de 1960, houve uma mobilização mundial focada na preservação da natureza e o Brasil seguindo o exemplo, começou a estruturar políticas que garantissem a preservação dos seus ecossistemas. Esse processo acarretou na criação do Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC), que veio a regulamentar a visitação desses espaços e a sustentabilidade dos ambientes naturais, por meio de planos de manejo e da adoção de modelos de gestão que respeitem sua capacidade de carga. Considerando tais pressupostos, este artigo visa a composição de uma análise tendo como base o planejamento adotado pela Unidade de Conservação - Parque Nacional da Lagoa do Peixe (RS), local onde foram tratadas as questões de manejo e de capacidade de carga para viabilizar o recebimento de visitantes e da promoção da sensibilização para a conservação da biodiversidade. Para desenvolvimento de estudos posteriores, fica a sugestão de realização de pesquisa que englobe todos os parques pertencentes à Região Sul do Brasil, para um possível comparativo em relação ao uso público e à atividade turística. 

Palavras-chave: Turismo. Unidades de Conservação. Plano de Manejo.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.14210/at.v1n3.p81-103

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Rodrigo Hakira Minohara, Rudinei Scaranto Dazzi, Alessandra Santos dos Santos

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

ISSN: 2448-3524

Classificação Qualis/CAPES: B5

Indexadores/Diretórios:

        

O site do Applied Tourism, assim como seu conteúdo, encontra-se sob a licença: