A MEDIAÇÃO COMO MECANISMO PARA A APLICAÇÃO DA GUARDA COMPARTILHADA, VISANDO O MELHOR INTERESSE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

Ester Ferreira dos Santos, Maria Cristina de Ross Bordin, Ricardo Artur Azevedo

Resumo


Esse artigo tem como objetivo entender a finalidade da mediação familiar através de uma visão bibliográfica, uma análise dos conflitos familiares na guarda compartilhada que é uma regra geral. No desenvolvimento deste artigo foram apresentados os propósitos, as vantagens e as desvantagens da mediação familiar no âmbito da guarda compartilhada.  Nela, os pais devem dividir as responsabilidades sobre a assistência material, educacional e moral e continuam exercendo conjuntamente a guarda dos filhos, assumindo a responsabilidade legal nas decisões de relevância na vida da criança e do adolescente. A mediação familiar conta com auxílio de um terceiro imparcial, que ajuda os pais em conflito sobre a guarda dos filhos a encontrarem soluções pacíficas através do diálogo.

Texto completo:

PDF

Referências


AGÊNCIA SENADO. Especialistas sugerem guarda compartilhada para prevenir alienação parental. Senado Notícias. 2015, p. 01. Disponível em: http://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2013/06/10/especialistas-sugerem-guarda-compartilhada-para-prevenir-alienacao-parental. Acesso em 01 ago. 2017.

AKEL, A.C. S. Guarda compartilhada: um avanço para família. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

ALVES, A. P.; et al. Mediação familiar: possibilitando diálogos acerca da guarda compartilhada. Pesquisas e práticas psicossociais, São João Del-Rei, v. 9, n. 2, p. 193-200, dez. 2014. Disponível em: . Acesso em: 23 jul. 2017.

BARBOSA, Á. A. Guarda compartilhada e mediação familiar: uma parceira necessária. Lexmagister, São Paulo, jun. 2014. Disponível em: . Acesso em: 17 jul. 2017.

BRASIL. Código civil. Lei nº. 10.406, de 10 de janeiro de 2002.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, de 5 de outubro de 1988.

CHRISO, C. M. de; CERDOTES, A. A guarda compartilhada e a mediação familiar como forma de reestruturar os partícipes do núcleo familiar. In: Seminário Nacional Demandas Sociais e Políticas Públicas na Sociedade, 2016, Santa Cruz do Sul. Seminário. Santa Cruz do Sul: Unisc, 2016. Disponível em: . Acesso em: 25jul. 2017.

DIAS, M. B. Guarda Compartilhada uma novidade bem vinda. 2009, p.01. Disponível em: < http://www.mariaberenice.com.br/manager/arq/(cod2_603)1__guarda_compartilhada_uma_novidade_bemvinda.pdf>. Acesso em: 27 jul. 2017.

DIAS, M.B. Manual de Direito das Famílias. 8 ed. ver. atual. E ampl. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2011.

DICIONÁRIO INFOPÉDIA DA LÍNGUA PORTUGUESA COM ACORDO ORTOGRÁFICO [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2016. Disponível em: https://www.infopedia.pt/dicionarios/lingua-portuguesa/unidade. Acesso em: 1 ago. 2017.

GRISARD FILHO, W. Guarda Compartilhada: um novo modelo de responsabilidade parental. São Paulo:Revista dos Tribunais.7 ed. 2014.

LÔBO, P. Direito Civil: famílias. São Paulo: Ed. Saraiva.4 ed. 2011, p. 301.

NUNES, N.; OLTRAMARI, L.C.; SARAIVA, L.M. Mediação como processo de educação para a convivência social. In: CRUZ, R. M.; MACIEL, S.; RAMIREZ, D. C. O trabalho do psicólogo no campo jurídico, 1 ed. São Paulo, Casa do Psicólogo, 2005.

PYTLOVACIW, C.Z.et al. Mediação familiar: uma alternativa para humanizar o sistema judiciário. Pensando Família. São Paulo, v. 12, n. 1, p.83-97, jul. 2008.

VENOSA, S. de S. Direito Civil: direito de família. São Paulo: Editora Atlas S.A. 6.ed, v. 6, 2006.

ZANOTTA, C. da S.; ESCANE, F. G. A importância da mediação familiar como instrumento para viabilizar a concessão da guarda compartilhada. Revista Eletrônica Direito, Justiça e Cidadania, v. 4, n. 1, 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.