CONSTELAÇÕES SISTÊMICAS COMO TÉCNICA DE RESOLUÇÃO DE CONFLITOS FAMILIARES

Camila Schroeder Lucachinski, Márcia Sarubbi Lippmann

Resumo


Esta pesquisa objetiva analisar a aplicação das Constelações Sistêmicas no sistema Judiciário brasileiro. Especificamente, aborda-se referida técnica como uma alternativa para a resolução de conflitos familiares e também de como ocorre a sua aplicação. Trata-se, ainda, do trabalho realizado pelo magistrado Sami Storch, na Bahia, e, no âmbito catarinense, aquele feito sob a coordenação da magistrada Vânia Petermann. Para tanto, faz-se uso das técnicas de pesquisa bibliográfica e, na fase de investigação, utiliza-se o método indutivo para pesquisar e identificar os conceitos, ideias e posicionamentos doutrinários pertinentes. Com isso, verificou-se que a técnica de Constelação Sistêmica está presente em vários Tribunais do país e já conta com estudos que visam obter dados estatísticos e qualitativos da sua utilização. Infere-se também que a técnica contribui para a humanização do ideal de Justiça brasileira, bem como é capaz de proporcionar uma solução mais profunda e concreta dos conflitos levados à apreciação jurisdicional.


Texto completo:

PDF

Referências


Agência CNJ de Notícias. “Constelação Familiar” ajuda a humanizar práticas de conciliação no Judiciário. Disponível em http://www.cnj.jus.br/noticias/cnj/83766-constelacao-familiar-ajuda-humanizar-praticas-de-conciliacao-no-judiciario-2. Acesso em 05/08/2017.

Agência CNJ de Notícias. Justiça restaurativa e constelações familiares avançam no Paraná. Disponível em http://www.cnj.jus.br/noticias/judiciario/84704-justica-restaurativa-e-constelacoes-familiares-avancam-no-parana. Acesso em 20/07/2017.

Assessoria de imprensa do Tribunal de Justiça do Estado de Santa Catarina. Multidisciplinaridade faz projeto “Conversas de Família” ter baixa recidiva em ações. Disponível em https://portal.tjsc.jus.br/web/sala-de-imprensa/-/multidisciplinaridade-faz-projeto-%60conversa-de-familia%C2%BF-ter-baixa-recidiva-em-acoes?redirect=https%3A%2F%2Fportal.tjsc.jus.br%2Fweb%2Fsala-de-imprensa%2Fnoticias%2Fvisualizar%3Bjsessionid%3D18F45A6A0EA81442D4F344512B5D0034%3Fp_p_id%3D101_INSTANCE_Mooje1VU08hX%26p_p_lifecycle%3D0%26p_p_state%3Dnormal%26p_p_mode%3Dview%26p_p_col_id%3D_118_INSTANCE_6JBfezjkOU7u__column-2%26p_p_col_count%3D1. Acesso em 12/07/2017.

BERTALANFFY, Ludvig Von. Teoria Geral dos Sistemas: Fundamentos, Desenvolvimento e Aplicação. 7ª Edição. Rio de Janeiro: Vozes, 2013.

BRAGA, Ana Lucia de Abreu. Psicopedagogia e Constelação Familiar Sistêmica: Um Estudo de Caso. Revista Psicopedagogia. São Paulo, v. 26, nº 80, p. 274-285, 2009. Disponível em: . Acesso em: 16/04/2017.

BRASIL. Lei nº 13.105, de 16 de março de 2015. Código de Processo Civil. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13105.htm. Acesso em 20/07/2017.

CARDOSO, Hélio Apoliano. Direito de Família à Luz da Constelação Familiar e do Direito Sistêmico. Revista Síntese de Direito de Família. São Paulo, v. 17, nº 97, p. 75-78, ago/set 2016. Disponível em: http://www.mpsp.mp.br/portal/page/portal/documentacao_e_divulgacao/doc_biblioteca/bibli_servicos_produtos/bibli_boletim/bibli_bol_2007/Rev.Sint.Dir.Fam_n.97.pdf. Acesso em: 16/04/2017.

HELLINGER, Bert. Ordens do Amor: Um Guia Para o Trabalho com Constelações Familiares. São Paulo: Cultrix, 2003.

HELLINGER, Bert; HÖVEL, Gabriele Ten. Constelações Familiares: O Reconhecimento das Ordens do Amor. São Paulo: Cultrix, 2004, p.13-14.

MUSZKAT, Malvina E.; OLIVEIRA, Maria Coleta; UNBEHAUM, Sandra; MUSZKAT, Susana. Mediação Familiar Transdisciplinar: Uma metodologia de trabalho em situações de conflito de gênero. São Paulo: Summus, 2008.

OLIVEIRA JUNIOR, Décio Fábio de; OLIVEIRA, Wilma Costa Gonçalves. Esclarecendo as Constelações Familiares. Belo Horizonte: Atman, 2016.

PASOLD, Cesar Luiz. Metodologia da Pesquisa Jurídica: teoria e prática. 13ª Edição. Florianópolis: Conceito Editorial, 2015.

PETERMANN, Vânia. Juíza titular do Juizado Especial Cível e Criminal da Trindade, comarca de Florianópolis (SC). Entrevista concedida a Camila Schroeder Lucachinski, para a elaboração desta pesquisa, em 18/05/2017.

PIMONT, Paulo. Constelador e formador de consteladores no Instituto Ipê Roxo, em Florianópolis (SC). Entrevista concedida a Camila Schroeder Lucachinski, para a elaboração desta pesquisa, em 18/05/2017.

Revista Consultor Jurídico. Doze Tribunais adotam técnica alemã de conciliação em conflitos. Disponível em http://www.conjur.com.br/2016-nov-01/doze-tribunais-adotam-tecnica-alema-conciliacao-conflitos. Acesso em 20/07/2017.

ROSA, Amilton Plácido da. Direito Sistêmico: A Justiça Curativa, de Soluções Profundas e Duradouras. Disponível em: https://www.carpesmadaleno.com.br/. Acesso em: 15/04/2017.

SCHUBERT, René. As Constelações Familiares Aplicadas à Justiça. Jornal Alternativo, Edição 123, SP, Agosto-Setembro 2016, páginas 13 e 14 (http://aconstelacaofamiliar.blogspot.com.br/search/label/Artigos?updated-max=2016-11-23T12:05:00-08:00&max-results=20&start=1&by-date=false)

SHELDRAKE, Rubert. A Ressonância Mórfica e a Presença do Passado. Lisboa (Portugal): Instituto Piaget, 1995.

STORCH, Sami. Direito sistêmico na TV – As Contribuições das Constelações de Hellinger no Judiciário. Disponível em https://iperoxo.com/2016/09/09/direito-sistemico-na-tv-as-contribuicoes-das-constelacoes-de-hellinger-no-judiciario/. Acesso em 10/07/2017.

TARTUCE, Fernanda. Mediação no Novo CPC: questionamentos reflexivos. Disponível em http://www.fernandatartuce.com.br/wp-content/uploads/2016/02/Media%C3%A7%C3%A3o-no-novo-CPC-Tartuce.pdf. Acesso em 20/07/2017.

TESCAROLLI, Lilian; GONÇALVES, Fernando AB. Leis Sistêmicas. Disponível em: https://www.carpesmadaleno.com.br. Acesso em: 07/05/2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.