IDADE E CRESCIMENTO DA ABRÓTEA (Urophycis brasiliensis) CAPTURADA NO SUL DO BRASIL

H. A ANDRADE, M. DUARTE-PEREIRA, J. L ABREU-SILVA

Resumo


A abrótea (Urophycis brasilienis) é uma das principais espécies capturadas em arrastos de fundo na costa sul e sudeste do Brasil. Estimativas feitas durante o projeto REVIZEE indicam que o recurso pode estar sendo sobre-explorado. Entretanto, há uma insegurança quanto a esta avaliação, pois há incertezas quanto à determinação da idade. A redução dessas incertezas foi o objetivo desse trabalho. Foram analisados 390 otólitos de exemplares desembarcados para comercialização em 1997 e 1998, e uma amostra adicional de 50 otólitos de exemplares capturados em 2003 menores do que o tamanho comercial. A aplicação de dois métodos de validação reforçou a hipótese de que haja a formação de um anel por ano, definido por um par de bandas, uma opaca e uma translúcida. As idades mínimas e máximas observadas na captura comercial foram de 3 e 16 anos respectivamente. Os parâmetros do modelo de crescimento de von Bertalanffy foram estimados para os sexos agrupados e para as fêmeas separadamente, devido ao pequeno tamanho amostral do lote de dados de machos. Para fêmeas a equação estimada é Lt=75,67(1-e-0,106(t+3,05)), enquanto que para os sexos agrupados tem-se Lt=62,25(1-e-0,106(t+0,53)). Essas são as estimativas mais acuradas disponíveis no momento e devem ser utilizadas em futuras análises de avaliação de estoques.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.14210/bjast.v8n1.p107-117

(eISSN: 1983-9057, ISSN: 1808-7035)