O DISCURSO DA INTERNACIONALIZAÇÃO DA AMAZÔNIA: DO IMAGINÁRIO DAS NARRATIVAS À RACIONALIDADE INSTRUMENTAL DOS PROJETOS

Afonso Maria das Chagas, Pedro Abib Hecktheuer, Fabio Rychecki Hecktheuer

Resumo


O espaço amazônico é e tem sido, além de lugar concreto, um espaço simbólico, de múltiplas significações. Com as imagens criadas para traduzir este espaço, efetivou-se um discurso nacional sobre a Amazônia. As narrativas constitutivas prestaram-se aos projetos políticos e econômicos e à aplicação de seu conceito de desenvolvimento. Para grandes projetos grandes discursos, embalados sempre por interesses “bem-intencionados”. Inventada e reinventada, a Amazônia, em suas imagens e metáforas, traduz também os efeitos do desconhecimento, da invisibilidade de sujeitos coletivos, do sentido de seus territórios e da própria natureza, em sua interação com o humano. Um dos mais badalados discursos é o da internacionalização da Amazônia, que não tem a ver somente com as intenções internacionais, mas que se verbaliza e efetiva em programas e projetos concretos, assume-se em ambíguas cartilhas e viabiliza-se através da construção imaginária do senso comum, onde as aparências ganham primazia sobre o essencial invisibilizado.

Palavras-chave


Amazônia; Desenvolvimento; Território; Simbolismo; Internacionalização.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAGÓN, Luis E. Novos temas regionais para o estudo da Amazônia no atual contexto internacional. Paper do NAEA, 209. 58ª Reunião do SBPC, Florianópolis, 2006. Disponível em: www.naea.ufpa.br/pdf.php?id=413. Acesso em: 20 jun. 2015.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Pronunciamento do Deputado Max Rosenmann na Tribunal em 08/12/2005. Disponível em: http://www.camara.gov.br/internet/sitaqweb/TextoHTML.a sp?etapa=3&nuSessao=324.3.52.O&nuQuarto=7&nuOrador=2&nuInsercao=0&dtHorario Quarto=14:12&sgFaseSessao=PE%20%20%20%20%20%20%20%20&Data=08/12/2005&txApelido=MAX%20ROSENMANN&txFaseSessao=Pequeno%20Expediente%20%20 %20%20%20%20%20%20%20%20%20%20&dtHoraQuarto=14:12&txEtapa=Com%20 reda%C3%A7%C3%A3o%20final. Acesso: 23 jun. 2015.

BRASIL. Governo Federal. Decreto nº 6.703 de 18 de dezembro de 2008. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/ Decreto/D6703.htm. Acesso: 22 jun. 2015.

CANESIN, Carlos Henrique. A ordem e as forças profundas na Escola Inglesa de Relações Internacionais: em busca de uma possível francofonia. Revista Brasileira de Política Internacional. Brasília , v. 51, n. 1, p. 123-136, 2008 . disponível em: http://www.scielo.br/ scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-73292008000100007&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 29 Jun. 2015. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-73292008000100007.

CUNHA, Euclides da. Um paraíso perdido. Rio de Janeiro: José Olympio, 1994.

D’ARAUJO, Maria Celina. Militares, democracia e desenvolvimento: o Brasil e a América do Sul. Rio de Janeiro: FGV, 2010.

GONDIM, Neide. A Invenção da Amazônia. 2. ed. Valer. Manaus, 2007.

HALL, Stuart. Identidades Culturais na Pós-modernidade. (Tradução de Tomaz Tadeu da Silva e Guaracira Lopes Louro). Rio de Janeiro: DP&A, 2005.

HARVEY, D. A Condição Pós-Moderna (Tradução de Adail Ubirajara Sobral e Maria Stela Gonçalves). São Paulo: Loyola, 1989.

LAFER, Celso. A identidade internacional do Brasil e a política externa brasileira: passado, presente e futuro. São Paulo: Perspectiva, 2001.

MARQUES, Gilberto. Amazônia: uma moderna colônia energético-mineral? Revista Universidade e Sociedade: do Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior. Brasília, ano 12, n. 49, p. 32-45, jan./2012. Disponível em: http://portal.andes.org. br/imprensa/publicacoes/imp-pub-1113956493.pdf. Acesso em: 2 jan. 2017.

PIGNATTA, Maria Eva. Identidad y política exterior. Explorando el caso argentino. In: BUSSO, Aanabella. Fuerzas profundas e identidad. Reflexiones sobre su impacto en la política exterior: un recorrido de casos. Rosario: UNR Editora.- Editorial de la Universidad Nacional de Rosario, 2010. EBook, v. 2.

PORRO, Antônio. As crônicas do Rio Amazonas: notas etno-históricas sobre as antigas populações indígenas da Amazônia. Petrópolis: Vozes, 1993.

RABINOVICI, Andra. Militantes e militares na mídia: questões sobre a soberania da Amazônia brasileira. IV Encontro Nacional da ANPPAS, Brasília, jun. 2008. Disponível em: http://www.anppas.org.br/ encontro4/ cd/ARQUIVOS/GT13-13-175-20080508210714.pdf. Acesso: 20 jun. 2015.

SANTOS, José Vicente Tavares de. Matuchos: exclusão e luta: do sul para a Amazônia. Tradução de Lúcia Mathilde Endlich Orth. Petrópolis: Vozes, 1993.

SCHMITT, Carl. El Nomos de La Tierra: En el Derecho de Gentes del “Jus publicum europaeum”. Tradução de Dora Schilling Thon. Buenos Aires: 2005.

SERRA, Maurício Aguiar, FERNANDEZ, Ramon Garcia. Perspectivas de desenvolvimento da Amazônia: motivos para otimismo e para o pessimismo. Revista Economia e Sociedade. V. 13, nº 2(23). Campinas, jul/dez. 2004.

SOUZA, Márcio. A expressão amazonense: do colonialismo ao neocolonialismo. São Paulo: Alfa-Ômega, 1977.

SVARTMAN, Eduardo. A agenda de defesa do Brasil para a América do Sul. In. ARTURI, Carlos Schmidt. (Org.). Políticas de defesa, inteligência e segurança no Brasil. Porto Alegre: UFRGS/CEGOV, 2014.

VARGAS, Getulio. Discurso do Rio Amazonas. Cultura Política. Revista Mensal de Estudos Brasileiros, Rio de janeiro, ano 1, n. 8, p. 227-230, out. 1941.

WALLERSTEIN, Immanuel. Após o Liberalismo: Em Busca da Reconstrução do Mundo. (Tradução de Ricardo Aníbal Rosenbusch). Petrópolis: Editora Vozes, 2002.

ZHOURI, Andréa. O fantasma da Internacionalização da Amazônia revisitado – ambientalismo, direitos humanos e indígenas na perspectiva de militares e políticos brasileiros. XXVI Encontro Anual da ANPOCS, Caxambu, 2002.




DOI: http://dx.doi.org/10.14210/nej.v22n3.p849-876