JUSTIÇA E CONSENSO: PROTAGONISMO E CIDADANIA NA PERSPECTIVA CULTURAL DO DIÁLOGO

Karinne Emanoela Goettems dos Santos

Resumo


O presente artigo é fruto de um constante questionamento acerca
da concretização do acesso à justiça por meio do consenso. Para além das teorias de premissa maior e premissa menor e da separação entre fato de direito, este trabalho propõe uma reflexão sobre acesso à justiça e à cidadania, sobre jurisdição e sociedade, sobre rituais adversariais e consensuais. Para tanto, busca ilustrar o cenário da litigiosidade e, a partir dela, justificar a importância de rituais que, com base no consenso, valorizam a comunicação entre os conflitantes, transformando as relações sociais. Além disso, o estudo avança para a análise do consenso proposto pelo novo Código de Processo Civil e Lei de Mediação, destacando a participação e o protagonismo do cidadão neste processo de superação dos meios adversariais como fator de distinção para o exercício efetivo do acesso à justiça, defendendo sobretudo a riqueza do diálogo como ferramenta de emancipação e cidadania.


Palavras-chave


acesso à justiça; consenso; protagonismo; cidadania.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Rafael Alves de; ALMEIDA, Tania; CRESPO, Maria Hernandez (Org.). O Tribunal Multiportas – Investindo no capital social para maximizar o sistema de solução de conflitos no Brasil. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2012. Disponível em: http://bibliotecadigital.fgv.br/ dspace/bitstream/handle/ 10438/10361/Tribunal%20Multiportas.pdf?sequence=1. Acesso em: 20 mar. 2017.

BOLZAN DE MORAIS, José Luis. O Estado e seus limites. Reflexões iniciais sobre a profanação do Estado Social e a dessacralização da modernidade. Boletim da Faculdade de Direito n. 83, 2007. p.576-577

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Tradução de Fernando Tomaz. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006.

BRASIL.ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL. Resolução 02/2015. Aprova o Código de Ética e Disciplina da Ordem dos Advogados do Brasil – OAB. Disponível em: http://www.oab. org.br/arquivos/resolucao-n-022015-ced-2030601765.pdf. Acesso em: 21 mar. 2017.

BRASIL, Conselho Nacional de Justiça. Relatório Justiça em Números 2016. Volume 1. Disponível em: http://www.cnj.jus.br/files/conteudo/arquivo/2016/ 10/b8f46be3dbbff34493 1a933579915488.pdf. Acesso em: fev. 2017.

BRODSKY, Marcelo. Psicanálise e Mediação. In WARAT, Luis Alberto (ORG.). Em nome do acordo. A mediação no direito. 2. ed. Buenos Aires: Almed, 1999.

CALMON, Petrônio. Fundamentos da mediação e da conciliação. 3. ed. Brasília: Gazeta Jurídica, 2015.

CAPPELLETTI, Mauro; GARTH, Bryant. Acesso à Justiça. Tradução de Ellen Gracie. Porto Alegre: Fabris, 1988.

CHASE, Oscar G. Direito Cultura e Ritual: Sistemas de Resolução de conflitos no contexto da cultura comparada. 1. ed. Tradução de Sérgio Arenhart, Gustavo Osna. São Paulo: 2014.

CHIOVEDA, Giuseppe. Instituições de direito processual civil. Tradução Paolo Capitaneo. Campinas: Bookseller, 1998, Vol.2.

FREITAS, Carmen Lúcia Kaltbach de. Festa ou Solenidade? Conciliação e Mediação como caminhos de acesso à justiça. Curitiba: Prismas 2016.

GADAMER, Hans Georg. O problema da consciência histórica. Tradução de Paulo César Duque Estrada. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2003.

GARAPON, Antoine. O guardador de promessas: justiça e democracia. Tradução de Francisco Aragão. Lisboa: Instituto Piaget, 1996.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. 26. ed. Tradução de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

LACAN, Jacques. Os complexos familiares na formação do indivíduo. Tradução de Marco Antônio Coutinho Jorge e Potiguara Mendes da Silveira Júnior. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2002.

LIPOVETSKI, Gilles. A era do vazio: ensaios sobre o individualismo contemporâneo. Tradução de Therezinha Monteiro Deutsch São Paulo: Manole, 2005.

MARINONI, Luiz Guilherme. Teoria Geral do Processo. 7. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2013.

MAUS, Ingeborg. O Judiciário como superego da sociedade: o papel da atividade jurisprudencial na “sociedade órfã”. Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, n. 58, p. 183-202, nov. 2000. Disponível em: http://www.direitocontemporaneo.com/wp-content/uploads/2014/02/JUDICI% C3%81RIO-COMO-SUPEREGO-DA-SOCIEDADE.pdf. Acesso em: 01 jun. 2017.

MEDINA, José Miguel Garcia. Direito Processual Civil Moderno. 2. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2016.

NERY JR., Nelson. Comentários ao Código de Processo Civil. São Paulo: RT, 2016.

SILVA, Ovídio Baptista da. Processo e Ideologia – o paradigma racionalista, 2. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2006.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para uma revolução democrática da justiça. São Paulo: Cortez, 2011.

SANTOS, Karinne Emanoela Goettems dos. Processo Civil e Litigiosidade – Para além da jurisdição dos conceitos sem coisas. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2016.

THEODORO JR., Humberto. Curso de Direito Processual Civil. Vol 1. Rio de Janeiro: Forense, 2016. TIBURI, Márcia. Como conversar com um fascista. São Paulo: Record, 2016.

WARAT, Luis Alberto (Org.). Em nome do acordo. A mediação no direito. 2. ed. Buenos Aires: Almed, 1999.




DOI: http://dx.doi.org/10.14210/nej.v23n2.p627-652