QUALIDADE DA ÁGUA: UM ENFOQUE JURÍDICO E INSTITUCIONAL DO REÚSO INDIRETO PARA FINS POTÁVEIS

Maria Luiza Machado Granziera

Resumo


O artigo trata do reúso indireto não planejado de água para fins potáveis
no Brasil, tema associado à qualidade e à gestão dos recursos hídricos. O estudo parte de uma análise das normas sobre qualidade da água, abordando a realidade da diluição de efluentes domésticos à luz das normas vigentes. O objetivo é demonstrar a importância da articulação institucional e da governança entre União, Estados e Municípios na solução dos problemas da poluição da água causada pelos esgotos domésticos. A metodologia constitui-se de pesquisa exploratória e qualitativa, utilizando bibliografia baseada em doutrina, princípios e normas relacionadas ao assunto. Concluiu-se que uma forma adequada de enfrentar o problema consiste na articulação entre o planejamento das bacias hidrográficas e os planos municipais de saneamento básico, grande desafio para os atores envolvidos no processo.


Palavras-chave


qualidade da água; efetividade das normas; articulação institucional; governança; reúso.

Texto completo:

PDF

Referências


AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS. Atlas Brasil – Abastecimento Urbano de Água. Brasília, 2015.

Disponível em: .

BRASIL. Constituição (1988). Disponível em:

constituicaocompilado.htm>. Acesso em: 12 dez. 2017.

BRASIL. Decreto nº 5.440, de 4 de maio de 2005. Disponível em:

ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5440.htm>. Acesso em: 12 dez. 2017.

BRASIL. Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. Disponível em:

ccivil_03/leis/l6938.htm>. Acesso em: 12 dez. 2017.

BRASIL. Lei nº 9.433, de 8 de janeiro de 1997. Disponível em: . Acesso em: 12 dez 2017.

BRASIL. Lei nº 11.445, de 5 de janeiro de 2007. Disponível em:

ccivil_03/_ato2007-2010/2007/lei/l11445.htm>. Acesso em: 12 dez. 2017.

COMISSÃO MUNDIAL SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO. Nosso futuro comum. 2

ed. Rio de Janeiro: FGV, 1991.

CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS (CNRH). Resolução nº 54, de 20 de novembro

de 2005. Disponível em:

download&gid=37>. Acesso em: 12 dez. 2017.

CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS (CNRH). Resolução nº 91, de 5 de novembro

de 2008. Disponível em: http://portalpnqa.ana.gov.br/Publicacao/RESOLU%C3%87%C3%83O%20

CNRH%20n%C2%BA%2091.pdf>. Acesso em: 12 dez. 2017.

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE (CONAMA). Resolução nº 357, de 17 de março de

Disponível em: . Acesso

em: 12 dez. 2017.

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE (CONAMA). Resolução nº 430, de 13 de maio de

Disponível em: . Acesso

em: 12 dez. 2017.

GONÇALVES, Alcindo. O conceito de governança. XIV Congresso Nacional CONPEDI. Fortaleza,

, p. 1. Disponível em:

governanca.pdf>. Acesso em: 12 dez. 2017.

GRANZIERA, Maria Luiza Machado. Direito Ambiental. 4a ed. São Paulo: Atlas, 2015.

GRANZIERA, Maria Luiza Machado. Direito de Águas – Disciplina Jurídica das Águas Doces. 4.a

ed. São Paulo: Atlas, 2014.

HESPANHOL, Ivanildo. Um novo paradigma para a gestão de recursos hídricos. Revista Estudos

Avançados. São Paulo, 2008, v. 22, n. 63, p. 131-158. ISSN 0103-4014. Disponível em:

dx.doi.org/10.1590/S0103-40142008000200009>. Acesso em: 12 dez. 2017.

HOEKSTRA, Arjen Y. Sustainable, efficient, and equitable water use: the three pillars under wise

freshwater allocation. WIREs Water, jan./fev. 2014, v. 1, p. 31-40. Doi: 10.1002/wat2.1000. Disponível

em: . Acesso em: 12 dez. 2017.

LIBÂNIO, Paulo Augusto Cunha; CHERNICHARO, Carlos Augusto de Lemos; NASCIMENTO, Nilo

de Oliveira. A dimensão da qualidade de água: avaliação da relação entre indicadores sociais, de

disponibilidade hídrica, de saneamento e de saúde pública. Engenharia Sanitária e Ambiental,

Rio de Janeiro, jul/set 2005, v. 10, n. 3. Disponível em:

>. Acesso em: 12 dez. 2017.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portaria nº 2.914, de 12 de dezembro de 2011. Disponível em:

bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2914 _12_12_2011.html>. Acesso em: 12 dez. 2017.

MOREIRA, Iara Verocai Dias. Vocabulário básico de meio ambiente. Rio de Janeiro: Fundação

Estadual de Engenharia do Meio Ambiente (FEEMA), 1990.

ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO (OCDE). Princípios da

OCDE para a Governança da Água. OCDE, 2015.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Agenda 2030. Disponível em:

pos2015/agenda2030/>. Acesso em: 12 dez. 2017.

SANTOS, Maria Helena de Castro. Governabilidade, governança e democracia: criação de capacidade

governativa e relações Executivo-Legislativo no Brasil pós-Constituinte. DADOS – Revista de

Ciências Sociais. Rio de Janeiro, 1997, v. 40, n. 3, p. 4. Disponível em:

php?script=sci_arttext&pid=S0011-52581997000300003&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 12 dez.

UNCED. Agenda 21, United Nations Conference on Environment and Development, Rio de

Janeiro, 14 jun. 1992. Disponível em:

Agenda21.pdf>. Acesso em: 12 dez. 2017.

UNITED NATIONS. A/ARES/64/291. Follow-up to paragraph 143 on human security of the 2005

World Summit Outcome. Disponível em:

RES/64/291>. Acesso em: 12 dez. 2017.

WORLD BANK. Governance and Development, 1992. Disponível em:

org/curated/en/604951468739447676/pdf/multi-page.pdf>. Acesso em: 12 dez. 2017.

ZARED Filho, Kamel; GARCIA Luís Antônio Villaça de; PORTO Mônica Ferreira do Amaral; PORTO,

Rubem La Laina. Reúso da água. Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento

de Engenharia Hidráulica e Sanitária, 2007. Disponível em:

arq=2151>. Acesso em: 12 dez. 2017.




DOI: http://dx.doi.org/10.14210/nej.v24n2.p453-482