A COISA JULGADA NO ARQUIVAMENTO DE INVESTIGAÇÃO SOBRE CRIME AMBIENTAL DE COMPETÊNCIA PENAL ORIGINÁRIA DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

Heron Gordilho, Daniel Joau Perez Keller

Resumo


O presente artigo de revisão bibliográfica analisa a possibilidade de
a Procuradoria Geral da República promover o arquivamento de inquérito policial que apura crime ambiental sem a necessidade de submeter ao Supremo Tribunal Federal (STF), nas hipóteses em que este tribunal possui competência originária para julgar o fato. O artigo analisa o posicionamento do STF, que tem entendido que, em alguns casos, a decisão judicial que homologa o arquivamento pode fazer
coisa julgada material, razão pela qual é obrigatória esta homologação, mesmo não sendo possível aplicar a regra do artigo 28 do Código de Processo Penal.
Na conclusão, o artigo reivindica uma corrente conciliadora, que sustenta que sóseria necessário submeter ao STF nas hipóteses de arquivamento originário que constitua coisa julgada material, como nos casos em que ela seja fundamentada em excludente de tipicidade, culpabilidade ou punibilidade, hipóteses em que a PGR estaria obrigada a submeter o arquivamento ao Ministro Relator.


Palavras-chave


Investigação criminal; Coisa Julgada; Crimes ambientais; Procuradoria Geral da República.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, Fabio Roque. Revista do Programa de Pós-Graduação em Direito da Universidade Federal da Bahia n.26,

Disponível em: https://portalseer.ufba.br/index.php/rppgd/article/view/11935. Acesso em: 23 ago 2019.

BADARÓ, Gustavo. Processo Penal. 2. ed. Campus Jurídico, São Paulo: Saraiva, 2014.

BRASILEIRO DE LIMAR, Renato. Manual de Processo Penal. 4. ed. São Paulo: Juspodivm, 2018.

BINDER, Alberto M. O descumprimento das Formas Processuais. Elementos Para uma Crítica da Teoria Unitária das

Nulidades no Processo Penal. Rio de Janeiro: Atlas, 2003.

CARNELUTTI, Francesco. Direito Processual Civil e Penal. vol. II ed. Rio de Janeiro: Péritas. 2001.

CARVALHO, Amilton Bueno de. Direito Penal a Marteladas: Algo sobre Nietzsche e o Direito. 1. ed. Rio de Janeiro:

Lumen Juris. 2013.

CORDERO, Franco. Guida ala procedura penale. Torino: UTET, 1986.

COUTINHO, Jacinto Nelson de Miranda. Glosas ao Verdade, Dúvida e Certeza, de Francesco Carnelutti, para os operadores

do Direito. In: Anuário ibero-americano de direitos humanos. Porto Alegre: Nota Dez Editora, 2001

COUTINHO, Jacinto Nelson de Miranda. Introdução aos Princípios Gerais do Direito Processual Penal Brasileiro. Revistas

de Estudos Criminais. Porto Alegre: Nota Dez Editora, 2001.

CUNHA JUNIOR, Dirley. Curso de Direito Constitucional. 4. ed. São Paulo: Juspodivm, 2010.

DIAS, Jorge de Figueiredo. Direito Processual Penal. Coimbra: Coimbra, 1974.

FAZZALARI, Elio. L`esperienza del processo nella cultura comteporanea. In: Rivista di diritto processuale. Padova;

Cedam, 1965, vol. XX.

FERNANDES, Antônio Scarence. Teoria geral do procedimento e o procedimento no processo penal. São Paulo: Revista

dos Tribunais, 2005.

FERRAJOLI, Luigi. Derecho y razón: teoría del garantismo penal. Luigi Ferrajoli; prólogo de Norberto Bobbio. Valladolid:

Trotta, 1995.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. História e Narração em Walter Benjamim. São Paulo: Perspectiva, 2009, p.14.

GAUER, Ruth. Falar em Tempo, Viver o Tempo! In: GESU, Cristina di. Prova Penal e Falsas Memórias. 2. ed. São Paulo:

Livraria do Advogado, 2014.

GESU, Cristina di. Prova Penal e Falsas Memórias. 2. ed. São Paulo: Livraria do Advogado, 2014.

GOLDSCHIMIDT, James. Principios generales del proceso: problemas jurídicos y políticos del processo penal. V. II ,

Buenos Aires: Ediciones Jurídicas Europa-América, 1961.

GORDILHO, Heron. Recent reform on environmental criminal law in Brazil. University of Baltimore. Journal of

International Law. 2015. Disponível em: https://ublawjil.files.wordpress.com/2016/05/heron-baltimore-journalrecent-

reform-2016.pdf. Acesso em: 24 outubro 2019.

LOPES JR., Aury. Direito Processual Penal. 9. ed. São Paulo: Saraiva. 2012.

MORAIS DA ROSA, Alexandre. Guia Compacto de Processo Penal Conforme a Teoria dos Jogos. 1. ed. Rio de Janeiro:

Lumen Juris, 2013.

NUCCI, Guilherme de Souza. Código de Processo Penal Comentado. São Paulo: Saraiva 2005.

NUCCI, Guilherme de Souza. Manual de Processo Penal e Execução Penal. 9. ed. São Paulo: 2012.

PACELLI, Eugênio. Curso de Processo Penal. 16. ed. Rio de Janeiro: Editora Atlas, 2012.

RANGEL, Paulo. Curso de Direito Processual Penal. 5. ed. São Paulo: Saraiva, 2007.

SCHIETI MACHADO CRUZ, Rogério. Com a palavra, as partes. Boletim do IBCCrim, n.188, julho/2008.

TOURINHO FILHO, Fernando da Costa. Processo penal. 30. ed. v. 1. São Paulo: Saraiva, 2008.

TARUFFO, Michele. La prueba de los hechos. Valladolid: Trotta, 1995. – 991, 2002.

TÁVORA, Nestor; ALENCAR, Rosmar Rodrigues. Curso de Direito Processual Penal. 7. ed. São Paulo: JusPODIVM, 2012.




DOI: https://doi.org/10.14210/nej.v25n3.p720-738

eISSN: 2175-0491

Este portal é licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.