O DISCURSO E A PRÁTICA DA ÉTICA NAS RELAÇÕES DE TRABALHO: OS PARADOXOS DA PRÁXIS DE UMA ORGANIZAÇÃO BANCÁRIA

Rodrigo Serpa Pinto

Resumo


O ressurgimento da questão da ética no campo administrativo trouxe novos desafios para a gestão das organizações, principalmente, àquelas inseridas em um sistema capitalista onde predomina a lógica produtiva e a racionalidade instrumental. A necessidade de adaptação decorrente das novas exigências profissionais e sociais, em virtude das novas reflexões éticas, fez com que as organizações buscassem legitimar suas ações com base em um código de conduta, entendido aqui como o discurso formal da organização, capaz de regulamentar o comportamento dos indivíduos, "sugerindo" condutas "eticamente corretas". Porém, o que se verifica empiricamente é que nem sempre tal discurso corresponde à prática administrativa. No campo organizacional, isso é percebido quando o compromisso com as regras instituídas permanece somente até o ponto onde elas não comprometam as práticas ou os interesses particulares de alguns, tornando-se comum, em muitos casos, as organizações adaptarem as regras às práticas. Portanto, quando não há coerência entre o discurso e a prática administrativa, tornam-se evidentes alguns paradoxos, nos quais se observam que as ações dos indivíduos não correspondem aos princípios éticos que deveriam embasá-las e/ou justificá-las, convergindo para relações de trabalho fundamentadas em uma ética convencionada.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.14210/alcance.v12n2.p233-256

Direitos autorais 2008 Revista Alcance

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.