AS POLÍTICAS PÚBLICAS NA FORMAÇÃO DA FORÇA DE TRABALHO NA ÁREA DA SAÚDE NA AMÉRICA LATINA: DESAFIOS E POSSIBILIDADES

Giglio Prado, Verónica González

Resumo


O presente ensaio pretende fazer um percurso histórico ao longo das diferentes políticas públicas, no marco da formação da força humana na saúde, contextualizado principalmente na América Latina, com marcada influência do pensamento médico-social e na saúde coletiva. A primeira consideração que permeia este ensaio é que a educação universitária deve ser um bem público, um direito humano, e deve ser garantida pelo Estado. Este é um campo complexo, já que os processos de formação de profissionais e trabalhadores do campo sanitário fazem parte de uma arena de luta de conceitos e práticas, com repercussões no decorrer dos acontecimentos e na conformação das correlações de força em nossos países. Para finalizar, reflete-se sobre a necessidade de introduzir mudanças substantivas nas grades curriculares das Faculdades de Medicina e outras profissões no campo da saúde, contribuindo deste modo com o imperativo ético de completar os ciclos de construção da cidadania, de contar com serviços nacionais integrais de saúde financiados com verbas gerais, com participação e controle popular, que ofereçam serviços de qualidade, oportunos, resolutivos, humanizados, fora das cruéis características do mercado. Democracia e saúde devem se tornar sinônimos.

Palavras-chave


Políticas Públicas; Educação Médica; Direitos.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.14210/rbts.v4n2.p187-195

Apontamentos

  • Não há apontamentos.