DIMENSÃO NOÉTICA: AS CONTRIBUIÇÕES DA LOGOTERAPIA PARA A COMPREENSÃO DO SER HUMANO

Larissa Fernanda Dittrich, Marcelo Felipe Leite Oliveira

Resumo


Esta pesquisa tratou do tema “Dimensão noética: as contribuições da logoterapia para a compreensão de ser humano”. Para Frankl, o ser humano é
entendido como uma unidade tridimensional constituída por instância biológica ou factual, psicológica ou anímica e noética ou espiritual, sendo esta última o princípio distintivo da espécie, elemento primordial da constituição humana, fonte da liberdade e responsabilidade, bem como da busca por sentido e da autotranscendência culminando, assim, na autorrealização. O objetivo geral desta pesquisa foi compreender a dimensão noética em Viktor Frankl, sendo de cunho bibliográfico com abordagem fenomenológica, baseando-se nos conceitos da dimensão noética, de ser humano e do sentido da vida à luz da logoterapia. Investigaram-se livros, artigos científicos, teses relacionados ao objeto de estudo. A metodologia para captação e compreensão dos dados foi a hermenêutica fenomenológica. Como resultado, ficou evidenciada a visão de ser humano em Frankl como uma unidade tridimensional, composta pela relação dialógica, recíproca e interdependente das dimensões biológica, psicológica e espiritual, em que uma abarca a anterior, em um movimento de suprassunção. Essa tríade condensa-se em um “vir-a-ser” humano, tendo o espírito como instância superior dessa totalidade. Por fim,compreendeu-se a dimensão noética ou espiritual como instância fundadora do sentido para a vida.


Palavras-chave


Dimensão Noética.Sentido de Vida. Ser Humano.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, A. M. Estará em curso o desenvolvimento de um novo paradigma teórico para a evolução biológica? Pp. 1-28, in: MARTINS, Lilian Al-Chueyr Pereira; REGNER, Anna Carolina Krebs Pereira &

LORENZANO, Pablo (eds.). Ciências da vida: estudos filosóficos e históricos. Campinas: Associação de Filosofia e História da Ciência do Cone Sul (AFHIC), 2006.

ARISTÓTELES. Metafísica. São Paulo: Edipro, 2006.

CARVALHO, O. de. O mínimo que você precisa saber para não ser um idiota [recurso eletrônico] / Olavo de Carvalho; organização Felipe Moura Brasil. - 1. ed. - Rio de Janeiro: Record, 2013.

COMTE, A. Curso de filosofia positiva. 2. ed. São Paulo: Abril cultural, 1983.

DESCARTES, R. O discurso do método: para bem conduzir a própria razão e procurar a verdade nas ciências. São Paulo: Paulus, 2002.

DITTRICH, M. G. A criatividade do amor criante de Deus: uma vivência de cura espiritual na criação artística. Sa~o Leopoldo: Escola Superior de Teologia, 2008.

______. O corpo-criante: a chave para uma hermenêutica da obra de arte. Fragmentos de Cultura, Goiânia: Editora da Universidade Católica de Goiás, v. 14, n. 5, 2004.

DOOYEWEERD, H. A New Critique of Theoretical Thought. Ontario: Paideia Press, 1984. FEYERABEND, P. Contra o método. 2. ed. São Paulo: UNESP, 2011.

FIZZOTTI, E. En las raíces de la logoterapia las raíces de la esperanza. Revista Mexicana de Logoterapia. v. 2, p. 20-30, 2014.

FRAGATA, J. et al. Perspectivas da fenomenologia de Husserl. Coimbra: Centro de Estudos Fenomenológicos, 1965.

FRANKL, V; LAPIDE, P. A busca de Deus e questionamentos sobre o sentido. Petrópolis: Editora Vozes. Tradução de Márcia Neumann, 2014.

FRANKL, V. E. Psicoterapia: Uma casuística para médicos. São Paulo: E.P.U. 1976.

______. Fundamentos Antropológicos da Psicoterapia. Tradução de Renato Bittencourt. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1978.

______. A questão do sentido em psicoterapia. Campinas: Papirus, 1990.

______. A psicoterapia na prática. Campinas: Papirus, 1991.

______. Logoterapia e análise existencial: textos de cinco décadas. Trad. Jonas Pereira dos Santos. Campinas: Editorial Psy II. 1995.

______. Psicoterapia e sentido da vida: fundamentos de logoterapia e análise existencial. Tradução de Alípio Maia de Castro. São Paulo: Quadrante, 2003.

______. A presença ignorada de Deus. 10 Ed. Trad. Walter O. Sclupp e Helga H. Reinhold. São Leopoldo, RS: Sinodal; Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.

______. Em busca de sentido: um psicólogo no campo de concentração. Petrópolis: Editora Vozes, 2008.

______. O que não está escrito em meus livros: Memorias. São Paulo: É Realizações, 2010.

______. A vontade de sentido: fundamentos e aplicações da logoterapia. Sa~o Paulo: Paulus, 2011.

______. Sede de Sentido: Conceitos Básicos de logoterapia. 5. ed. São Paulo. Quadrante, 2011.

______. Logoterapia e análise existencial: textos de seis décadas. Rio de Janeiro: Forense Universitária. 2012.

FREUD. S. Nova conf. XXXII: ansiedade e vida pulsional. Rio de Janeiro: Imago, 2006.

GUEDES, K. C.; GAUDÊNCIO, E. O. Trabalho e logoteoria: análise existencial da situação de desemprego. Revista Logos & Existência, v.1, p. 26-37. 2012.

HAHNEMANN S. Organon da arte de curar. Ribeirão Preto: Museu de Homeopatia Abrahao Brickmann,1995.

HARARI, Y. N. Sapiens: uma breve história da humanidade. Porto Alegre: Editora L&PM, 2014.

HEGEL, G.W.F. Fenomenologia do espírito. Parte I. Trad. Paulo Meneses e Karl-Hetnz Efken. Petrópolis, Vozes, 1992.

KAUFFMAN, S. “O que é vida?”: Schrödinger estava certo? In: Murphy MP e O’Neill LAJ, organizadores. “O que é vida?” 50 anos depois. Especulações sobre o Futuro da biologia. São Paulo: Editora da UNESP,

KOYRE´, A. Do mundo fechado ao universo infinito. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006.

KROEFF, Paulo. Logoterapia: uma visão da psicoterapia. Rev. abordagem gestalt, Goiânia, v. 17, n. 1, p. 68-74, jun. 2011. Disponível em: < http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809

&lng=pt&nrm=iso >. Acesso em: 12 nov. 2018.

LUKAS, E. Logoterapia: a força desafiadora do espírito. Tradução de Jose´ de Sa´ Porto. Sa~o Paulo: Edições Loyola, 1989.

_______. Histórias que curam... Porque dão sentido a` vida. Petro´polis: Verus, 2005.

MATURANA, H.; VARELA, F.. A árvore do conhecimento: as bases biológicas do entendimento humano. São Paulo: Psy, 1995.

MARX, K.; ENGELS, F. A Ideologia Alemã. São Paulo: Bontempo, 2007.

NIETZSCHE, F. W. O nascimento da tragédia ou helenismo e pessimismo. Trad. de: J. Guinsburg. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

PAPAVERO, N. (org.) Fundamentos Práticos de Taxonomia Zoológica (Coleções, Bibliografia e Nomenclatura). 2. ed. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista, 1994.

PLATÃO. República. Tradução Maria Helena da Rocha Pereira. 9. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbbenkian, 2001.

______. Diálogos: Teeteto, Cratilo. 3. ed. Belém: UFFA, 2001.

PETER, R.; Viktor Frankl: A antropologia como terapia. Trad. Thereza Christina Stummer São Paulo: Paulus, 1999.

SARTRE, J.P. O Existencialismo é um humanismo. 3. ed. Trad. Rita Correa Guedes. São Paulo, Abril Cultural. 1987

SCHULTZ, D. P.; SCHULTZ, S. E. História da psicologia história da psicologia moderna. 11. ed. São Paulo: Moderna Cultrix, 2016.

TROMBLEY, S. 50 pensadores que formaram o mundo moderno: perfis de cinquenta filósofos, cientistas, teóricos, políticos se sociais e líderes espirituais marcantes cujas ideia definiram a época em que vivemos. Tradução Breno Barreto. Rio de Janeiro: Leya. 2014.

XAUSA, I. A. M. A Psicologia do sentido da vida. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.14210/rbts.v6n2.p143-160

Apontamentos

  • Não há apontamentos.