MEDICINA E MÍDIA: UM ESTUDO SOBRE A FIGURA DO MÉDICO NA TV E NA PERCEPÇÃO DO PÚBLICO

Jeferson Bertolini

Resumo


Este artigo destaca pesquisa sobre (a) como a figura do médico é apresentada
em programas de televisão sobre saúde e (b) como o público, entendido aqui como conjunto heterogêneo de indivíduos de uma população exposta à mídia de maneira direta ou indireta percebe a figura do médico. O trabalho usa análise de conteúdo do programa Bem-Estar, da Rede Globo (81 programas), e observação participante em supermercado e academia de ginástica (78 visitas diárias, em três meses) de Santa Catarina. O estudo analisa a questão sob o prisma do biopoder (FOUCAULT, 2012). Conclui que a televisão, ao dar amplo espaço aos médicos, colabora com o projeto biopolítico da construção de corpos melhorados ou economicamente ativos.


Palavras-chave


Televisão. Médico. Biopoder

Texto completo:

PDF

Referências


BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2010.

BOTTERÓ, Jean. A magia e a medicina reinam na Babilônia. In: LE GOFF, Jacques (et al). As doenças têm história; tradução de Laurinda Bom. Lisboa: Terramar, 1997.

DEFLEUR, Melvin. BALL-ROKEACH, Sandra. Teorias da Comunicação de massa; tradução de Otávio Alves Velho. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1993.

FARHI NETO, Leon. Biopolíticas: as formulações de Foucault. Florianópolis: Cidade Futura, 2010.

FAURE, Olivier. O olhar dos médicos. In: CORBIN, Alain; COURTINE, Jean-Jacques; VIGARELLO, Georges. História do corpo: da revolução à grande guerra; tradução de João Batista Kreuch e Jaime Clasen.

Petrópolis: Vozes, 2008.

FEARING, Franklin. A comunicação humana. In: COHN, Gabriel. Comunicação e indústria cultural. 4. ed. São Paulo: Cia Editora Nacional, 1978.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: a vontade de saber; tradução de Maria Thereza da Costa e J. A. Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro: Graal, 2012.

HABERMAS, Jüngen. Comunicação, opinião pública e poder. In: COHN, Gabriel. Comunicação e indústria cultural. 4. ed. São Paulo: Cia Editora Nacional, 1978.

LASSWELL, Harold. Propaganda technique in the word war. Nova York: Peter Smith, 1938.

LE BRETON, David. Antropologia do corpo e modernidade. Buenos Aires: Nueva Visión, 2002.

LE GOFF, Jacques (et al). As doenças têm história; tradução de Laurinda Bom. Lisboa: Terramar, 1997 MINAYO, Maria Cecília de Souza. Disciplinaridade, Interdisciplinaridade e Complexidade. In: Revista Emancipação. Ponta Grossa, 2010.

MOSSÉ, Claude. As lições de Hipócrates. In: LE GOFF, Jacques (et al). As doenças têm história. 2. ed. tradução de Laurinda Bom. Lisboa: Terramar, 1997.

MOULIN, Anne Marie. O corpo diante da medicina. In: CORBIN, Alain; COURTINE, Jean-Jacques; VIGARELLO, Georges. História do corpo: as mutações do olhar; o século XX; tradução de Ephraim Ferreira Alves; 3. ed. Petrópolis: Vozes, 2009.

PEIRCE, Charles Sanders. Escritos coligidos; tradução de Armando Mora ´Oliveira e Sérgio Pomerangblum; 2. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1980.

POMBO, Olga. Epistemologia da Interdisciplinaridade. Conferencia proferida no Colóquio Interdisciplinaridade, Humanismo e Universidade, promovida pela Cátedra Humanismo Latino. Porto, 2007.

POTER, Roy; VIGARELLO, Georges. Corpo, saúde e doenças. In: CORBIN, Alain; COURTINE, Jean- Jacques; VIGARELLO, Georges. História do corpo: do Renascimento às luzes. Petrópolis: Vozes, 2008.

RESTREPO, Eduardo. Técnicas etnográficas. In: Especialización en Métodos y Técnicas de Investigaciónen Ciencias Sociales. Fucla, 2010.

SOURNIA, Jean-Charles. O homem e a doença. In: LE GOFF, Jacques (et al). As doenças têm história. 2. ed. Tradução de Laurinda Bom. Lisboa: Terramar, 1997.




DOI: http://dx.doi.org/10.14210/rbts.v6n2.p161-170

Apontamentos

  • Não há apontamentos.