CUIDADO TERAPÊUTICO LÚDICO EM UMA UNIDADE DE SAÚDE DO SUS: RELATO DE PESQUISA

Isabel Cristina dos Santos, Yolanda Flores e Silva

Resumo


Pensando em um cuidado humanizado, vários serviços de saúde vêm realizando a Arte Gestacional durante o pré-natal. Nesse contexto, este artigo teve o objetivo de “descrever as representações sociais de gestantes sobre a Arte Gestacional e suas implicações no que se refere à humanização do serviço através de um cuidado terapêutico diferenciado”. A metodologia foi qualitativa com entrevistas às gestantes de uma unidade de saúde pública em um município do litoral catarinense. A análise dos dados foi realizada utilizando-se do processo de categorização dos conteúdos das entrevistas associadas às experiências de distintos pesquisadores e à experiência do serviço. A Teoria das Representações Sociais de Moscovici serviu de apoio teórico-metodológico para compreensão do universo dessas gestantes. Os resultados apontam que a AG se revela um cuidado terapêutico lúdico, auxiliando a gestante nos enfrentamentos cotidianos, fortalecendo vínculos entre mulher/família/bebê.

Palavras-chave


Cuidado Pré-Natal. Educação. Gestante. Promoção da Saúde

Texto completo:

PDF

Referências


ALVARENGA, Patricia; DAZZANI, Maria Vergínia Machado; ALFAYA, Cristiane Ajnamei Santos;

LORDELO, Eulina Rocha; PICCININI, César Augusto. Relações entre a saúde mental da gestante e o

apego materno-fetal. Estudos de Psicologia, v. 3, n. 17, p. 477-484, set. / dez. 2012. Disponível em: http://

www.scielo.br/pdf/epsic/v17n3/17.pdf. Acesso em: abril de 2018.

BOFF, Leonardo. O cuidado necessário: na vida, na saúde, na educação, na ecologia, na ética e na

espiritualidade. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2013.

BRASIL. Humanização do parto: humanização do pré-natal e nascimento. Brasília: Ministério da Saúde,

DURKHEIM, Emile. As regras do método sociológico. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

RBTS - ITAJAÍ - V.6 - N.1- 2019

FUJITA, Junia Aparecida Laia Mata.; SHIMO, Antonieta Keiko Kakuda. Representação social sobre

a arte da pintura do ventre materno. In: Anais do Congresso Ibero-Americano em Investigação

Qualitativa, Porto, 5 – 7 de maio de 2016. Porto (Portugal): CIAIQ, 2016. (p:439-450). Disponível em:

http://proceedings.ciaiq.org/index.php/ciaiq2016/article/view/781/768. Acesso em: abril de 2018.

GIBBS, Graham . Análise dos dados qualitativos. Porto Alegre: Artmed, 2009.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 1987.

GOTARDO, Ana Tereza. Parto humanizado, empoderamento feminino e combate à violência: uma análise

do documentário ‘o renascimento do parto’. Doc. On-line, v.1, n. 23, p. 29 – 45, Jan. 2018. Disponível em:

http://www.doc.ubi.pt. Acesso em: abril de 2018.

JODELET, Denise. As representações sociais. Rio de Janeiro: UERJ, 2001.

LIMA, Suzinara Soares. Enfermagem no pré-natal de baixo risco na estratégia saúde da família. Aquichan,

v. 13, n. 2, p. 261-269, maio, 2013. Disponível em: http://www.scielo.org.co/pdf/aqui/v13n2/v13n2a12.

pdf. Acesso em: maio de 2018.

KLAUS, Marshall; KENNELL, John; KLAUD, Phyllis. Vínculo: construindo as bases para um apego

seguro e para a independência. Porto Alegre: Artmed, 2000.

MINAYO, Maria Cecília Souza. O desafio do conhecimento. Pesquisa qualitativa em saúde. 14. ed. São

Paulo: Hucitec, 2014.

MERHY, Emerson Elias; FEUERWERKER, Laura Camargo Macruz. Novo olhar sobre as tecnologias

de saúde: uma necessidade contemporânea. In: MERHY, E.E. et al. (Org.). Avaliação compartilhada do

cuidado em saúde: surpreendendo o instituído nas redes. Rio de Janeiro: Hexis, 2016. 448 p. (Políticas e

cuidados em saúde; 1). Disponível em: www.hexiseditora.com.br . Acesso em: dezembro de 2018.

MOSCOVICI, Serge. Representações sociais. Investigações em Psicologia Social. 11ªed. Petrópolis:

Vozes, 2011.

____________ La representación social: un concepto perdido. Lima: IEP - Instituto de Estudios

Peruanos, 2002. Disponível em: www.cholonautas.edu.pe.

____________. Prefácio. In: GUARESCHI, P.; JOVCHELOVITCH, S. (Org.). Textos em Representações

Sociais. Petrópolis: Vozes, 1995.

REBERTE, Luciana Magnoni; HOGA, Luiza Akiko Komura. A experiência de pais participantes de um

grupo de educação para saúde no pré-natal. Ciencia y Enfermeria, v. 16, n.1, p. 105 – 114, abril, 2010.

Disponível em: https://scielo.conicyt.cl/pdf/cienf/v16n1/art_12.pdf. Acesso em: abril de 2018.

REZENDE, Claudia Barcellos. Um estado emotivo: a representação da gravidez na mídia. Cadernos

Pagu, v. 36, n. 1, p. 315 – 344, jan./jun. 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cpa/n36/n36a12.

pdf. Acesso em: abril de 2018.

SANTOS, Geovane Tavares; DIAS, José Manoel de Barros. Teoria das representações sociais: uma

abordagem sociopsicológica. PRACS: Revista Eletrônica de Humanidades, v. 8, n. 1, p. 173 – 187, jan./

jun. 2015. Disponível em: http://periodicos.unifap.br/index.php/pracs. Acesso em: agosto de 2018.

SILVA, Silvio Eder Dias; CAMARGO, Brigido Vizeu; PADILHA, Maria Itayara. A teoria das

Representações Sociais nas pesquisas da enfermagem brasileira. Revista Brasileira de Enfermagem –

Reben, v. 5, n. 64, p. 947 – 951, set. / out. 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v64n5/

a22v64n5.pdf. Acesso em: junho de 2018.

WALDOW, Vera Regina. O cuidado na saúde: as relações entre o eu, o outro e o cosmos. Petrópolis:

Vozes, 2004.

WEBER, Max. Conceitos Básicos de Sociologia. São Paulo: Centauro, 2002.

WOLFAT, Graziela. A retomada do protagonismo feminino no parto. IHU On-Line, v. 12, n.396, p. 11 –

www.univali.br/periodicos

, Jul. 2012b. Disponível em: http://www.ihuonline.unisinos.br/media/pdf/IHUOnlineEdicao396.pdf.

Acesso em: agosto de 2018.

___________. Nós, mulheres, estamos desenhadas para engravidar e parir sem nenhuma dificuldade. IHU

On – Line, v. 12, n.396, p. 9 – 10, jul. 2012a [Internet]. Disponível em: http://www.ihuonline.unisinos.

br/media/pdf/IHUOnlineEdicao396.pdf. Acesso em: agosto de 2018.

YIN, Robert K. Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman, 2009.




DOI: https://doi.org/10.14210/rbts.v7n1.p3-17

Apontamentos

  • Não há apontamentos.