Vamos Brincar De Que? Reflexões Sobre a Brincadeira De Papéis Sociais Como Conteúdo Da Mediação Pedagógica Com A Infância

Marilandi Maria Mascarello Vieira, Solange Maria Alves, Thais Regina Signor, Angela Zamoner, Letícia de Moura Faitão,

Resumo


Concebida com base no conceito de atividade principal da escola histórico-cultural de psicologia, a brincadeira deixa de ser algo natural da infância para constituir-se como espaço e tempo fulcral de apropriação dos inventos humanos, especialmente os de ordem simbólica nascidos, notadamente, das relações concretas de vida humana. Sob este prisma, e sendo a escola campo privilegiado de estratégias voltadas ao desenvolvimento de formas complexas de pensamento, a brincadeira passa a ser lugar de observação e a linguagem contida nela, o conteúdo da linguagem presente na ação de brincar passa a ser alvo de um olhar pedagógico atento, cuidadoso e intencional. Isso efetivamente acontece? Neste texto procuramos explicitar alguns dados coletados em pesquisa realizada com o objetivo de verificar essa relação entre brincadeira de papéis sociais e prática educativa com a infância.
Palavras-chave: infância, linguagem, brincadeira, desenvolvimento humano, educação.

Palavras-chave


infância, linguagem, brincadeira, desenvolvimento humano

Texto completo:

PDF


Direitos autorais