OS ESTUDOS ÉTNICO-RACIAIS E A RESSIGNIFICAÇÃO DO CURRÍCULO DA EDUCAÇÃO BÁSICA

José Licínio Backes

Resumo


O artigo, fruto de pesquisa financiada pelo CNPq, analisa as ressignificações que os estudos étnico-raciais estão produzindo no currículo da educação básica. Está inspirado no campo teórico dos estudos culturais, segundo o qual o racismo é resultado de uma articulação complexa, as identidades e diferenças são uma construção radicalmente histórica e cultural e o currículo da educação básica, além de ocupar-se com o conhecimento (fruto de uma seleção arbitrária), produz identidades e diferenças. Para identificar as ressignificações, foram lidos e analisados todos os trabalhos aprovados para apresentação no GT 21 da ANPED, período 2005-2011, perfazendo um total de 77 trabalhos. Foram identificados dois tipos de ressignificação, igualmente importantes para o currículo da educação básica. O primeiro tipo de ressignificação está ligado à luta histórica do povo negro para mostrar que a educação brasileira serve aos interesses do grupo cultural hegemônico, isto é, serve aos interesses da branquidade; portanto, o currículo da educação é racista. O segundo tipo de ressignificação provocada no currículo tem a ver com experiências positivas que estão em curso na educação básica. Concluímos que essas ressignificações são extremamente significativas para o currículo da educação básica, no sentido de construí-lo na perspectiva inter/multicultural.

Palavras-chave


Estudos Ètnico-Raciais; Currículo; Educação Inter/Multicultural

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.14210/contrapontos.v13n1.p15-23

Direitos autorais