PESQUISA-FORMAÇÃO: UM OLHAR PARA SUA CONSTITUIÇÃO CONCEI TUA L E POLÍTICA

Andrea M. Longarezi, Jorge Luiz da Silva

Resumo


O artigo enfatiza a pesquisa como prática reflexiva, crítica e transformadora da realidade social, discutindo algumas características teórico-metodológicas da pesquisa-ação, colaborativa, participante e coletiva, tendo em vista compreender a natureza formativa dos processos desencadeados por meio de cada uma delas. A análise documental, realizada a partir de textos de autores considerados referência em cada um dos tipos de pesquisa, bem como a análise do resultado de pesquisas de intervenção que se propuseram formar professores, revela que essas pesquisas anunciam formas particulares de agirem sobre a realidade e nela provocar transformações. Percebe-se a dimensão político-ideológica que caracteriza essas pesquisas para além de um processo descritivo e analítico dos contextos sociais. Contudo, alguns estudos recentes têm demonstrado que, em suas práticas, acabam sofrendo certos desvios, porque têm enraizadas paradigmas que se restringem a ações mais individuais e não mexem com as estruturas políticas, o que implicaria mudanças também nas relações de poder.

Palavras-chave


Pesquisa-formação; Pesquisas de intervenção; Formação de professores.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.14210/contrapontos.v13n3.p214-225

Direitos autorais