TEMPO E APRENDIZADO. O MODELO DE RATIO STUDIORUM DO SÉCULO XVI AO XIX

Fabio Pruneri

Resumo


A relação entre educação e tempo nos seus aspectos teóricos, metodológicos e históricos é um aspecto crucial da história do mundo ocidental. Em comparação com os estudos sociais econômicos e antropológicos que tentam capturar a importância do passar dos dias e das estações, o tempo permanece uma lacuna na histórica da educação. A falta de uma reflexão profunda sobre esse tópico é surpreendente. Eu examinei o conceito de tempo em relação à histórica da educação para explorar diferentes ideias de tempo que os educadores e os professores têm expressado por meio das fronteiras nacionais. Tentativas de padronizar a educação, a organização escolar e a agenda dos alunos surgiram ao longo dos séculos. Esses modelos atravessaram as fronteiras nacionais e, por causa de sua eficácia, eles têm atingido um alcance internacional. O caso mais interessante é aquele dos jesuítas. O propósito do Ratio Studiorum era organizar os dias escolares e os tempos de trabalho usando um cronograma muito acurado que mantivesse os alunos ocupados por todo o ano, de acordo com o calendário da Igreja. Este padrão efetivamente tornou-se um molde para a criação de colégios ao redor do mundo.

Palavras-chave


time; timetable; education; Jesuit.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.14210/contrapontos.v13n3.p226-237

Direitos autorais