A dupla face do contraponto com a modernidade na análise da pós-modernidade

Ana Maria Nicolaci da Costa

Resumo


Várias características da vida pós-moderna – notadamente aquelas que têm por base as tecnologias da informação e de telefonia celular – vêm suscitando reações negativas por parte de não-intelectuais e intelectuais. Fredric Jameson (1991), um dos principais analistas da pós-modernidade, sugere o uso docontraponto com a modernidade como uma espécie de antídoto para essas reações. Não discute, no entanto, outros possíveis efeitos desse contraponto. Essa discussão é realizada neste trabalho, tomando como exemplo o livro A corrosão do caráter, de Richard Sennett (1998). Argumenta-se que, quando usado de forma automática, assistemática ou inconsciente, o contraponto com a modernidade pode, ele próprio, despertar reações negativas com resultados indesejáveis. Dentre esses resultados, destacam-se: (a) os juízos de valor de características da contemporaneidade a partir de parâmetros em vias de extinção, e (b) o bloqueio da percepção de aspectos inéditos da nova realidade e organização social.

Texto completo:

PDF


Direitos autorais