Psicologia histórico-cultural: indicações para uma leitura marxista de Vigotski

Maurilene do Carmo, Susana Jimenez

Resumo


O artigo contrapõe-se à inserção da psicologia de Vigotski no universo construtivista, reafirmando a importância do resgate da psicologia histórico-cultural a partir de seus fundamentos marxistas. Para tanto, com base na revisão de uma literatura crítica selecionada, retoma de forma breve, a trajetória intelectual de Vigotski e seu papel na construção de uma psicologia marxista, ao lado de Luria e Leontiev, no contexto da Rússia do período revolucionário inaugurado em 1917; discute as principais dificuldades relativas à reconstrução da obra de Vigotski, após a avalanche stalinista, bem como à introdução de seu pensamento no Ocidente, particularmente nos Estados Unidos e no Brasil; e, por fim, aponta os desvios essenciais operados pelo tratamento particularizado atribuído pelo neovigotskianismo à linguagem, descolado do princípio marxiano do trabalho.

Texto completo:

PDF


Direitos autorais