SOB AS INFLUÊNCIAS DO CONSTITUCIONALISMO TERMIDORIANO: A POSTURA DO PODER JUDICIÁRIO NO BRASIL ACERCA DO DIREITO À SAÚDE

Beatriz Casagrande Fortunato, Marcos César Botelho

Resumo


Este trabalho investiga o Constitucionalismo Termidoriano, um movimento constitucionalista moderno, no qual verificou-se a necessidade da Constituição para garantir direitos e limitar o poder do governante. Logo, considerando a soberania da Constituição numa sociedade pluralista e aberta, e os juízes como garantes da complexidade estrutural jurídica, são realizados apontamentos sobre o direito constitucional à saúde, que demanda ações positivas por parte do Poder Público para sua efetivação. A não realização dessas ações gera a judicialização da saúde no Brasil, e, consequentemente, a interferência do Judiciário em outras esferas que não as que lhe competem. Ademais, a atuação judicial atua na delimitação do direito à saúde, a exemplo da decisão no Recurso Especial nº 1.657.156. Enfim, objetivo é, a partir do método dedutivo e da pesquisa bibliográfica e jurisprudencial, demonstrar que o Judiciário exerce um poder tampão acerca da concretização de direitos no Brasil, principalmente quanto ao direito à saúde.


Palavras-chave


Direito à saúde; Judicialização; Maleabilidade; Poder Judiciário.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Fernando de Brito; BREGA FILHO, Vladimir. Termidorizar a deliberação: o papel das cortes constitucionais nas democracias contemporâneas / Finishing the deliberation: the role of constitutional courts in contemporary democracies. Revista Brasileira de Direito, Passo Fundo, v. 11, n. 1, p. 124-134, ago. 2015. ISSN 2238-0604. Disponível em: https://seer.imed.edu.br/index.php/revistadedireito/article/view/948. Acesso em: 30 agosto 2018.

ASSIS, CHRISTIANE COSTA. O Constitucionalismo Whig e os Limites do Estado de Direito. Direito Público, [S.l.], v. 9, n. 49, dez. 2013. Disponível em: https://www.portaldeperiodicos.idp.edu.br/direitopublico/article/view/2201. Acesso em: 11 setembro 2018.

BARROSO, Luís Roberto. Da falta de efetividade à judicialização excessiva: direito à saúde, fornecimento gratuito de medicamentos e parâmetros para a atuação judicial. Anuario iberoamericano de justicia constitucional, n. 13, p. 17-32. 2009.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm. Acesso em: 04 abril 2019.

______. Superior Tribunal de Justiça. Jurisprudência. REsp nº 1657156 / RJ. Disponível em: https://ww2.stj.jus.br/processo/revista/documento/mediado/?componente=ATC&sequencial=82869018&num_registro=201700256297&data=20180504&tipo=5&formato=PDF. Acesso em: 04 maio 2018.

______. Superior Tribunal de Justiça. Jurisprudência. EDcl no REsp nº 1657156 / RJ. Disponível em: https://ww2.stj.jus.br/processo/revista/documento/mediado/?componente=ITA&sequencial=1750502&num_registro=201700256297&data=20180921&formato=PDF. Acesso em: 25 setembro 2018.

CAMBI, Eduardo. Neoconstitucionalismo e Neoprocessualismo: Direitos fundamentais, políticas públicas e protagonismo judiciário. São Paulo: Almedina, 2016.

DALLARI, Sueli Gandolfi; NUNES JÚNIOR, Vidal Serrano. Direito Sanitário. São Paulo: Editora Verbatim, 2010.

FIGUEIREDO, Mariana Filchtiner. Direito fundamental à saúde: parâmetros para sua eficácia e efetividade. Porto Alegre: Livraria do Advogado Editora, 2007.

MAYER, David N.. The English Radical Whig Origins of American Constitutionalism. Washington University Law Quarterly. 131 (1992). Disponível em: https://openscholarship.wustl.edu/law_lawreview/vol70/iss1/5. Acesso em: 10 agosto 2018.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Constituição da Organização Mundial da Saúde (OMS/WHO) - 1946. Disponível em: http://www.direitoshumanos.usp.br/index.php/OMS-Organiza%C3%A7%C3%A3o-Mundial-da-Sa%C3%BAde/constituicao-da-organizacao-mundial-da-saude-omswho.html. Acesso em: 04 abril 2018.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para uma Revolução Democrática da Justiça. 3 ed. São Paulo: Cortez, 2011.

SARLET, Ingo Wolfgang. Algumas considerações em torno do conteúdo, eficácia e efetividade do Direito à saúde na Constituição de 1988. Revista Eletrônica sobre a Reforma do Estado (RERE), Salvador, Instituto Brasileiro de Direito Público, nº 11, setembro/outubro/novembro, 2007. Disponível em: http://www.direitodoestado.com.br/artigo/ingo-wolfgang-sarlet/algumas-consideracoes-em-torno-do-conteudo-eficacia-e-efetividade-do-direito-a-saude-na-constituicao-de-1988. Acesso em: 24 abril 2018.

SERRANO, Mônica de Almeida Magalhães. O sistema único de saúde e suas diretrizes constitucionais. 2 ed. São Paulo: Editora Verbatim, 2012.

SILVA, José Afonso da. A dignidade da pessoa humana com valor supremo da democracia. Revista de Direito Administrativo, Rio de Janeiro, v. 212, p. 89-94, abr. 1998. Disponível em: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rda/article/view/47169. Acesso em: 01 agosto 2018.

STRECK, Lenio Luiz. Os dilemas do Estado Constitucional: entre a democracia e o presidencialismo de coalizão. LAZARI, Rafael; BERNARDI, Renato. Crise Constitucional: espécies, perspectivas e mecanismos de superação. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2015, p. 3-18.

VIEIRA, Fabiola Sulpino. Ações judiciais e direito à saúde: reflexão sobre a observância aos princípios do SUS. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 42, n. 2, p. 365-369, abr. 2008. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102008000200025&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 26 abril 2018.

ZAGREBELSKY, Gustavo. El derecho dúctil. Ley, derechos, justicia. 3 ed. Madrid: Trotta, 1999.




DOI: https://doi.org/10.14210/rdp.v14n3.p532-559

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista Eletrônica Direito e Política