A ERA DIGITAL E OS IMPACTOS DO NOVO PROCESSO ADMINISTRATIVO ELETRÔNICO DO INSS PARA BENEFICIÁRIOS E SEGURADOS

Beatriz Lourenço Mendes, José Ricardo Caetano Costa, Gabriel Ferreira da Silva

Resumo


O presente artigo tem por escopo trazer as mudanças no processo administrativo do INSS, a partir da instituição das tecnologias de informação e comunicação (TIC) como principal ferramenta de acesso para os serviços do instituto. Utilizando-se o método de abordagem indutivo, analisa-se, à luz dos princípios constitucionais, processuais e administrativos, a responsabilidade de virtualização do acesso à previdência e à assistência social em um país onde não há plena inclusão tecnológica. Os dados fornecidos pelo PNAD/IBGE (2016) e CETIC (2018), bem como a pesquisa bibliográfica realizada, permitem concluir que os segurados do sistema previdenciário são geralmente hipossuficientes, em todos os sentidos, possuindo baixo grau de instrução são afetadas pelo modelo de atendimento exclusivo à distância imposto pelo INSS. A situação também se torna preocupante, tendo em vista o caráter essencial das verbas prestadas pela Seguridade Social, como um direito constitucional social.

PALAVRAS-CHAVE: Tecnologias de informação e comunicação. seguridade social. inclusão digital. processo eletrônico.


Palavras-chave


Tecnologias de informação e comunicação. seguridade social. inclusão digital. processo eletrônico.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRÃO, Carlos Henrique. Processo eletrônico. 3 ed., São Paulo: Atlas, 2011, 152 p.

CASTELLS, Manuel. A Era da Informação: Economia, Sociedade e Cultura. Vol. 1 – A Sociedade em Rede. Tradução: Roneide Venancio Majer. 6 ed, São Paulo: Paz e Terra, 1999, ISBN 85-219-0329-4.

CENTRO REGIONAL DE ESTUDOS PARA O DESENVOLVIMENTO DA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO (Cetic.br), Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação nos domicílios brasileiros - TIC Domicílios 2018. Disponível em:. Acesso em 23 de abril de 2020.

CONFERÊNCIA APRESENTADA POR UMBERTO ECO NA ACADEMIA ITALIANA PARA ESTUDOS AVANÇADOS NA AMÉRICA, 12 de novembro de 1996. Tradução de João Bosco da Mota Alves. Florianópolis: RExLab Laboratório de Experimentação Remota, 2003.

COSTA, José Ricardo Caetano; SERAU Jr., Marco Aurélio; SOARES, Hector Cury. O Estado de Mal-Estar Social Brasileiro. Belo Horizonte : IEPREV, 2020.

DALARI, Dalmo de Abreu. O poder dos juízes. 3 ed., São Paulo: Saraiva, 2007, 176 p.

FLEURY, Sonia. A seguridade social e os dilemas da inclusão social. Revista de Administração Pública. Rio de Janeiro, n. 3, Maio/Jun., 2005.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios – 2016. Diretoria de Pesquisas, 2018. Disponível em: . Acesso em: 23 abr. 2020.

MARTINEZ, Luciano. Curso de direito do trabalho. 3 ed., São Paulo: Saraiva, 2012, 859 p.

NIERLING, Linda; DOMÍNGUEZ-RUÉ, Emma. “All that Glitters is not Silver – Technologies for the Elderly in Context”. In: NIERLING, Linda; DOMÍNGUEZ-RUÉ, Emma (org). Ageing and Technology, p. 10, 2016.

PINHEIRO, Sacha; SANTOS, Marta; CUNHA, Liliana. Digitalização do trabalho no INSS: tensões e estratégias de regulação na implementação do novo modelo de atendimento. Laboreal, v. 14, n. n. 2, 2018.

SÁ, Maira Elisa Grassi de; ALMEIDA, Vera Lúcia de. A inclusão dos idosos no mundo digital através das novas tecnologias da informação e comunicação (NTICs). Revista Conexões: Ciência e Tecnologia, Fortaleza, v. 6, n. 1, p. 1-14, mar. 2012.

SANTOS, Marisa Ferreira dos. Direito Previdenciário. 11 ed. São Paulo: Saraiva, 2015. ISBN: 978-85-02-02354-3.




DOI: https://doi.org/10.14210/rdp.v15n1.p54-78

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Eletrônica Direito e Política