ACESSO À JUSTIÇA E ÀS NOVAS TECNOLOGIAS: O CASE DA JUDICIALIZAÇÃO CONFORME A RECENTE LEI GERAL DE PROTEÇÃO DE DADOS

Maykon Fagundes Machado, Pedro Manoel Abreu

Resumo


A presente pesquisa possui como objeto a análise pontual do acesso à justiça, sob a ótica das novas tecnologias e da recente judicialização de conflitos com base na lei geral de proteção de dados. Possui como objetivo geral analisar o acesso à justiça nesta vivenciada pós-modernidade, sobretudo com fulcro na percepção e convivência com as novas tecnologias. Como objetivo específico, pretende-se abordar os recentes cases baseados na nova lei geral de proteção de dados, como um novo parâmetro de controle dos dados e informação, utilizando-se, portanto, do acesso à justiça. Utilizou-se para a elaboração desta pesquisa, nos moldes da Humildade Científica, o método indutivo, adotando-se a partir deste, a técnica de investigação bibliográfica.


Palavras-chave


Acesso à Justiça; Novas Tecnologias; Lei Geral de Proteção de Dados.

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Pedro Manoel. Acesso à justiça e juizados especiais: o desafio histórico da consolidação de uma justiça cidadã no Brasil. Florianópolis: Conceito Editorial, 2008.

BARRETO FILHO, Marcelo Vandré Ribeiro. Os Contornos Jurídicos da Lei Geral de Proteção de Dados Frente ao Consumo no Ambiente Virtual. 2019. 51 f. TCC (Graduação) - Curso de Direito, Universidade Federal da Paraíba, Santa Rita, 2019. Disponível em: . Acesso em: 12 fev. 2021.

BAUMAN, Zygmunt. Vida para consumo: a transformação das pessoas em mercadorias. Tradução de Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Zahar, 2008.

BENJAMIN, Antonio Herman Vasconcellos. A insurreição da aldeia global contra o processo civil clássico: apontamentos sobre a opressão e a libertação judiciais do meio ambiente e do consumidor. BDJur, Brasília, DF. p. 06-07. Disponível em:< http://bdjur.stj.jus.br//dspace/handle/2011/8688>. Acesso em: 05 fev. 2021.

BITTAR, Eduardo C. B. O. Direito na pós-modernidade: reflexões frankfurtianas. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009.

BOING, Daniel Henrique Arruda; ROSA, Alexandre Morais da. Ensinando um robô a julgar: Pragmática, Discricionariedade, Heurísticas e vieses no uso de aprendizado de máquina no Judiciário. Florianópolis, EMais, 2020.

BRASIL. Constituição Federal de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 05 fev. 2021.

CAPPELLETTI, Mauro; GARTH, Bryant. Acesso à justiça. Tradução Ellen Gracie Northfleet. Porto Alegre: Sérgio Antônio Fabris, 1988.

FREITAS, Juarez; TEIXEIRA, Anderson Vichinkeski. Democracia digital e Avaliação Continuada de Políticas Públicas. Revista Brasileira de Estudos Políticos, v. 119, p. 248, nov. de 2019. Disponível em: https://pos.direito.ufmg.br/rbep/index.php/rbep/article/view/715. Acesso em: 10 set. 2020.

MARIANO, Rafael; PRESCOTT, Roberta. Victor, a IA do STF, reduziu tempo de tarefa de 44 minutos para cinco segundos. CONVERGÊNCIA DIGITAL. Disponível em: https://www.convergenciadigital.com.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?UserActiveTemplate=site&infoid=52015&sid=3. Acesso em: 11 fev. 2021.

MARTINS, Tiago do Carmo. Acesso à Justiça e pandemia. Revista Jus Navigandi, ISSN 1518-4862, Teresina, ano 26, n. 6412, 20 jan. 2021. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/88048. Acesso em: 10 fev. 2021.

_______________________; MACHADO, Maykon Fagundes; GROCK, Gabriela. Democracia Digital e os poderes da República. MIGALHAS. Disponível em: https://migalhas.uol.com.br/depeso/334713/democracia-digital-e-os-poderes-da-republica. Acesso em: 11 fev. 2021.

MENDONÇA, J.J. Florentino dos Santos. Acesso equitativo ao direito e à justiça. São Paulo: Almedina, 2016.

NONES, Fernanda. LGPD: o que diz a nova lei brasileira de proteção de dados e como ela pode impactar a estratégia de marketing de sua empresa. RESULTADOS DIGITAIS. Disponível em: https://resultadosdigitais.com.br/blog/o-que-e-lgpd/. Acesso em 12 fev. 2021.

PASOLD, Cesar Luiz. Metodologia da Pesquisa Jurídica: teoria e prática. 13. ed. Florianópolis: Conceito Editorial, 2015.

REDAÇÃO. Entrevista: "A saída é investir em programas de inteligência artificial", sugere Tomazini. NOTÍCIAS – PODER JUDICIÁRIO DE SANTA CATARINA. Disponível em: https://www.tjsc.jus.br/web/imprensa/-/entrevista-a-saida-e-investir-em-programas-de-inteligencia-artificial-sugere-tomazini?inheritRedirect=true. Acesso em: 12 fev. 2021.

REDAÇÃO. LGPD gera primeira ação civil pública desde sua implementação. ECOMMERCEBRASIL. Disponível em:https://www.ecommercebrasil.com.br/noticias/lgpd-gera-primeira-acao-civil-publica-desde-sua implementacao/#:~:text=J%C3%A1%20%C3%A9%20conhecida%20a%20primeira,segunda% Dfeira%20(21). Acesso em: 13 fev. 2021.

RODRIGUES, Horácio Wanderlei. Acesso à justiça no direito processual brasileiro. São Paulo: Acadêmica, 1994.

SAAVEDRA, Fernando Jaime Estenssoro. Medio ambiente e ideología: la discusión pública en Chile, 1992-2002. Santiago: Ariadna/Universidad de Santiago de Chile – USACH, 2009.

SOUTO, Sabine Müller; MACHADO, Maykon Fagundes. LGPD e a nova política de privacidade dos dados do WhatsApp. CONJUR. Disponível em: https://www.conjur.com.br/2021-jan-20/opiniao-lgpd-politica-privacidade-whatsapp. Acesso em: 12 fev. 2021.

TOMAZINI, Volnei Celso; MACHADO, Maycon Fagundes. O locus da conciliação e da mediação na busca pelo legítimo direito ao acesso à justiça na Pós-modernidade. Revista do CEJUR/TJSC: Prestação Jurisdicional, v. 6, n. 1, p. 51, 2018.

VITAL, Danilo. Primeira ACP baseada na LGPD é indeferida porque site da ré está em manutenção. CONJUR. Disponível em: https://www.conjur.com.br/2020-set-23/peticao-inicial-acao-civil-publica-baseada-lgpd-indeferida. Acesso em: 13 fev. 2021.




DOI: https://doi.org/10.14210/rdp.v16n1.p345-362

Apontamentos

  • Não há apontamentos.