PELA NECESSIDADE DE UMA TEORIA HERMENÊUTICO-INTEGRATIVA DA DECISÃO JURÍDICA

Danilo Pereira Lima, Fernando Hoffmam

Resumo


Diante das transformações filosóficas que superaram a tradição do pensamento metafísico, não faz mais sentido que os juristas continuem apoiando-se no paradigma do positivismo pós-exegético para compreender os complexos problemas enfrentados pela teoria do direito na contemporaneidade. Nesse sentido, para que o Poder Judiciário tenha uma atuação compatível com o paradigma do Estado Democrático de Direito, mostra-se necessário encarar aquilo que o positivismo normativista ocultou, ao deixar numa posição secundária questões jurídicas mais pragmáticas, como o caso da interpretação, da discricionariedade e da decisão judicial. Desse modo, o presente trabalho pretende criticar a discricionariedade interpretativa exercida no âmbito do Poder Judiciario, a partir da filosofia hermenêutica de Heidegger, e do pensamento pós-positivista de Dworkin.


Palavras-chave


Decisão Jurídica. Teoria Hermenêutico-Integrativa. Respostas Corretas.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.14210/rdp.v9n1.p270-289

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais