BIODIVERSIDADE E SABERES TRADICIONAIS NO CONTEXTO DA GEOPOLÍTICA AMBIENTAL

Alexsandra Gato Rodrigues, Danielli Gadenz, Letícia Almeida de la Rue

Resumo


Com o avanço da biotecnologia, surge o interesse de diversos atores sobre o patrimônio biogenético e cultural de comunidades tradicionais, trazendo a problemática para a pauta da geopolítica mundial. Nesse sentido, questiona-se: é possível tutelar adequadamente o patrimônio cultural e biogenético destes grupos tendo por base os instrumentos jurídicos existentes? Buscando responder a esta indagação, o objetivo deste artigo é analisar a lógica da apropriação econômica da biodiversidade, por intermédio da usurpação dos saberes das comunidades tradicionais, no contexto da geopolítica ambiental. Utilizou-se o método de abordagem dedutivo, concluindo-se, ao final, que a proteção da diversidade biológica não pode ser cindida da proteção aos povos tradicionais. É fundamental que o Estado brasileiro atue como protagonista na missão de levar a questão à esfera internacional, agindo como mensageiro da necessidade de proteção aos saberes dos povos tradicionais, que estão sendo saqueados em razão de interesses puramente econômicos.


Palavras-chave


Geopolítica; Biopirataria; Comunidades tradicionais.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.14210/rdp.v9n1.p290-313

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais