A CIÊNCIA PÓS-MODERNA E O RETORNO DA RAZÃO SENSÍVEL

Denize Mugnol, Rodrigo Diego Jansen

Resumo


O  presente  artigo tem como   objetivo  principal o  estudo  do  senso  comum,  da razão sensível, em  contrapartida à  razão pura,  ao  conhecimento  científico,  com  destaque  ao pensamento  de  Michel  Maffesoli. Ao final do  estudo,  restou constato que  na  Modernidade houve o predomínio da  razão, do  pensamento  científico,  em desprezo ao  conhecimento  popular.  Maffesoli atesta  a  crise da  Modernidade e o surgimento  de   novo   período,   denominado  Pós-Modernidade,   onde   se   tem  o resgate    desses   valores   desconsiderados   pela    Modernidade.   A   proposta   do referido autor  é  congregar  razão e  sensibilidade. Conforme  Maffesoli,  estamos vivendo  o  período  do   pós;   uma   vez   que   a   história  humana  é  marcada  por momentos  em  que  a  razão  domina a  vida   social  e  outros em  que  a  sabedoria popular  toma  conta,  num   processo  cíclico.  A  Pós-Modernidade  traz  consigo o renascer da  razão sensível, o  resgate  do  Ser Humano em  sua  totalidade. Se  a Modernidade desprezou a  doxa, o  senso  comum,  característica  da  humanidade, numa tentativa  de  racionalização  única, acabou   por gerar sérias conseqüências sociais,  econômicas  e  jurídicas.  Com   referência  ao  Direito,  não   se  pode   mais pensar  na   possibilidade de  uma  Ciência  Jurídica que    desconsidere    os  desafios próprios  da  vida   cotidiana, deixando de  questionar  o  imaginário  social   para aí identificar as  carências,  sonhos, utopias,  desejos,  esperanças e  desesperanças que portam as pessoas  e as comunidades. Cabe  a Política Jurídica esta função de redirecionar o  Direito  para um  Devir de  licitude com  ética, desenhado sobre o princípio da alteridade.

Palavras-chave


Modernidade; pós-modernidade, razão, senso comum.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.14210/rdp.v3n2.p143-154

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015 Revista Direito e Política