A infância representada pelas classes populares: uma análise de charges publicadas na imprensa sindical após a aprovação do ECA

Alana Nogueira Volpato, Rozinaldo Antônio Miani

Resumo


Este artigo pretende analisar como a infância é representada por meio das charges publicadas na imprensa sindical após a aprovação do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), em 1990. A infância deve ser compreendida como uma construção social e, no Brasil, ela assume um sentido específico em decorrência das condições sociais, históricas e materiais das crianças. Entendemos que as condições de produção da charge no contexto da imprensa sindical permitem identificar uma representação da infância comprometida com a luta por direitos, na visão das classes populares. Ao analisar um conjunto de charges, por meio da metodologia de análise chárgica, constatamos que a infância representada na imprensa sindical apresenta a criança em dois paradigmas: como vítima de violências, pela ótica da proteção, ou como sujeito de direitos, pela ótica da cidadania.

Palavras-chave


Infância; Representação; Charge; Imprensa Sindical

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.14210/vd.v14n02.p%25p